Me passa seu Whats?


Na verdade não estou pedido seu whatsApp, mas se você quiser passar, por mim, tudo bem! Tô brincando!!! Mas como essa frase ficou tão corriqueira em nossos dias, não sei você, mas antigamente (nossa, agora me senti tão velha), algum tempo atrás passar nosso telefone era algo muito intimo, era como dar seu CPF ou RG para um estranho. Você estava convidando essa pessoa para ser íntima da sua vida, tendo acesso a você a qualquer hora e a qualquer momento.

No interior a gente aprendia desde cedo não passar o telefone de casa pra ninguém, só se fosse uma pessoa de confiança.

Mineiramente falando, podemos dizer que somos o povo mais galanteador, sabemos nos achegar sem ser muito invasivo e isso é velho. Posso te garantir que o avô do WhatsApp, nasceu em Minas, nos bancos das praças arborizadas, onde entre um pito de fumo e um bocejar, se trocava um olhar e depois um sorriso. Meio sem jeito, surgia com uma frase certeira: “Má num é quê parece que vai chovê?”(isso porque o dia estava lindo e ensolarado) E a outra parte respondia: “Oia, sei não.” E daí por diante a prosa deslanchava e não se via mais o tempo passar.

Tempos depois estavam trocando visitas e quitandas no fim da tarde, e se a conversa era muito boa, dava até casamento. Que sabedoria! Que elegante simplicidade de olhar nos olhos e ver o outro, não só ver, mas sentir.

Mas as prosas nas praças evoluíram como tudo na vida, até mesmo com nós, mineiros. Hoje trocamos as praças pelos grupos de WhatsApp, trocamos sorrisos por emotions sorridentes, trocamos beijos e abraços por imagens e vídeos de pessoas se abraçando.  

Hoje nos tornamos íntimos de pessoas tão distantes de nós em tempos tão recordes. Sentimos saudade, sentimos ciúme, sentimos raiva, discutimos e batemos a porta na cara do alvo de desgosto, saindo do grupo. Mandamos músicas, flores, corações, trocamos confidências, choramos e rimos, oferecemos colo, carinho e nossa atenção. Tudo isso de uma forma tão natural e com tanta verdade.

Como boa mineira que sou, adoro uma prosa, principalmente se ela for na cozinha de casa, regada ao um bom “cafezin” feito na hora com bolo e pão di queijo.  Como gosto dessa risada solta e de não ver a hora passar, mas também sou louca pelos grupos, tenho vários.  Inclusive um só de mineiros, esse então, Oh trem bão, sô!!

Mas o que tiramos desses grupos, o que levamos de real de algo tão virtual? Qual é o reaproveitamento desses contatos que se tornam tão íntimos da nossa vida, quantas dessas centenas de pessoas que te dão bom dia, você realmente gostaria que estivessem na sua vida?
Vou ser muito realista e me perdoe meus amigos dos grupos: talvez nunca vamos nos conhecer, talvez sejamos apenas como alguém que você ouve falar. Talvez sejamos como sonhos soltos em uma noite gostosa de verão que, ao acordar, tudo passara. 

Mas existem relações que vão tomando forma e gosto. De tanto você ouvir um bom dia, uma boa tarde e uma boa noite, o virtual toma formas reais porque, na verdade, todos nós estamos cansados das relações distantes e automatizadas que o mundo com a sua correria nos apresenta todos os dias e os grupos vem como um refrigério no meio da tarde, com pessoas que também buscam isso. 
Na verdade, lá atrás quando os dois mineiros se encontravam na praça, ambos buscavam isso - esse refrigério para seus dias cansados.

Mas o que não podemos fazer é deixar que essas relações que nasceram nesse universo tão mágico morram no virtual como se fossem apenas válvulas de escape da nossa vida tão dura e fria. 

Tá na hora de criarmos coragem de trazer essas relações virtuais para o real. Não estou falando de relacionamentos amorosos, estou falando de amizades verdadeiras, porque no meio profissional isso já é normal. Quantos contatos você já fez através no Linkedin? Essa é a prova que realmente as coisas podem tomar outro rumo a nos beneficiar, basta a gente ter coragem de sair de trás do celular e sentar na praça, no barzinho, no parque. Não importa a onde, precisamos de relações reais, pois em cada contato do Whatsapp, existe alguém real, alguém que tem muito mais a nos oferecer, que somente um sentimento virtual.#ficadicaédegratis 

Um grande abraço!!!

Foto: http://mapio.net/pic/p-20032541/ 

Postagens mais visitadas deste blog

MULHER MINEIRA

O sotaque das mineiras . Carlos Drummond de Andrade

Á Mineira